Ano 2009.
A Solicitante requereu a instauração de procedimento arbitral visando o recebimento de honorários advocatícios, conforme contratado. As partes renunciaram expressamente ao foro eleito no contrato, elegendo o CAESP para dirimir a controvérsia.
Proposta a conciliação, as partes se compuseram amigavelmente, declarando a  Solicitada que pagará à Solicitante a quantia de R$ 37.500,00, em duas parcelas, sendo a primeira de R$ 8.000,00 e a segunda de R$ 28.500,00.
Após a quitação destes valores, nada mais será devido a que título for, dando-se as partes mútua quitação para mais nada haver ou reclamar a este título.
Na hipótese de não cumprimento, o valor do débito será acrescido de multa de 50% e poderá ser objeto de execução perante o Poder Judiciário.
Cada parte arcará com os honorários de seu respectivo advogado e a Solicitada ressarcirá a Solicitante em 50% das custas de arbitragem.
Nada mais havendo a ser tratado, resta homologado o acordo.

Ano 2009.
A Solicitante requereu a instauração de procedimento arbitral visando o recebimento de honorários advocatícios, conforme contratado. As partes renunciaram expressamente ao foro eleito no contrato, elegendo o CAESP para dirimir a controvérsia.
Proposta a conciliação, as partes se compuseram amigavelmente, declarando a  Solicitada que pagará à Solicitante a quantia de R$ 37.500,00, em duas parcelas, sendo a primeira de R$ 8.000,00 e a segunda de R$ 28.500,00.
Após a quitação destes valores, nada mais será devido a que título for, dando-se as partes mútua quitação para mais nada haver ou reclamar a este título.
Na hipótese de não cumprimento, o valor do débito será acrescido de multa de 50% e poderá ser objeto de execução perante o Poder Judiciário.
Cada parte arcará com os honorários de seu respectivo advogado e a Solicitada ressarcirá a Solicitante em 50% das custas de arbitragem.
Nada mais havendo a ser tratado, resta homologado o acordo.